Nossa Senhora da Boa Morte e da Assunção

Atividades

Publicações

O Museu Pio XII, no âmbito da missão desenvolvida pelo Instituto de História e Arte Cristãs (IHAC), reúne um conjunto de publicações que visa promover a inventariação, estudo e divulgação do espólio do Museu e da Arquidiocese de Braga.

Esta Fundação cultural da Arquidiocese de Braga, apoiada na extensão bracarense da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa e no Seminário Conciliar de S. Pedro e S. Paulo da Arquidiocese de Braga procura promover a inventariação, recolha, organização, conservação, restauro, estudo e investigação do Arquivo Arquidiocesano de Braga e dos valores artísticos e arqueológicos que são património da Igreja Arquidiocesana de Braga.

Ao mesmo tempo, colabora na conservação, enriquecimento e beneficiação dos Museus Pio XII e Medina.

Desde 2017 o Museu Pio XII tem promovido ainda uma coleção de publicações dedicadas a artistas contemporâneos.

Activities

Publications

The Pius XII Museum, in the context of the mission developed by the Institute of Christian History and Art (IHAC), brings together a set of publications that aim to promote cataloguing, studying and disseminating the Museum's legacy. This Cultural Foundation of the Archdiocese of Braga, supported in the extension of the Faculty of Theology of the Catholic University of Portugal and the Conciliar Seminary of São Pedro and São Paulo of the Archdiocese of Braga, aims to promote cataloguing, collecting, organising, conserving, restoring, studying and researching the Archdiocesan archive of Braga and the artistic and archaeological values that are a heritage of the Archdiocesan Church of Braga.

At the same time, it collaborates towards conserving, enriching and improving the Pius XII and Medina Museums.

Since 2017, the Pius XII Museum has also promoted a collection of publications dedicated to contemporary artists.

Nossa Senhora da Boa Morte e da Assunção

Este conjunto escultórico descreve-nos harmoniosamente a Morte e Assunção de Nossa Senhora.

Compõe-se de dois planos sobrepostos.
No inferior, aparece Nossa Senhora deitada de costas, dormindo, de mãos postas sobre o peito, repousando sobre uma camilha inclinada, mais elevada a parte onde poisa a cabeça, com enxerga branca e almofada vermelha, rodeada de onze apóstolos.

A Senhora apresenta cabelos dourados, que descem em duas tranças ondulantes, contornando o rosto e chegando até ao peito pelo lado direito; ostenta um véu branco na cabeça, uma túnica cor de rosa de mangas compridas a cobrir-lhe o corpo e um manto azul que lhe cobre o ombro e peito esquerdos, passando pelas costas, reaparecendo em arco invertido sob o braço direito, até lhe cobrir, enrugado, as pernas e os pés.

Os apóstolos, de nimbo na cabeça, prostrados de joelhos e de mãos postas sobre o peito, inclinados em jeito de veneração e afeto sobre a Virgem, vestem manto vermelho, ou rosa, ou azul, ou castanho, sobre túnica azul, ou verde, ou rosa, ou branca, ou vermelha.

O segundo plano, é formado por uma nuvem azul clara, sustentada por quatro cariátides e em que afloram cinco cabeças aladas de anjos. Nossa Senhora pousa majestosa sobre a nuvem, de braços estendidos e mãos abertas, os olhos voltados para o alto, elevada por cinco anjos alados.

A Virgem Maria, de cabelos dourados e tranças compridas e soltas, veste, sobre uma comprida túnica roxa e sobre um lenço dourada enlaçado no peito e pendente no braço direito, um manto azul, orlado de ouro, que se desprende do ombro esquerdo em rugas flutuantes e soltas ao vento .

Curiosidade da peça descrita é a junção de dois momentos da vida de Nossa Senhora: a dormição ou morte; e a Assunção.

No entender do artista, todos os apóstolos (terá excluído Judas?! – daí aparecem apenas onze?!…) terão assistido à passagem de Nossa Senhora, da vida terrena, para a companhia visível da Trindade. Nas Sagradas Escrituras, como sabemos, não se confirma tal facto.

Mas não deixa de ser sintomático o sublinhar do afeto dos apóstolos para com Nossa Senhora e a presença deles em momento tão significativo.

Relativamente à Assunção de Nossa Senhora, é hoje um dogma da Igreja, proclamado pelo Papa Pio XII, em 1950. Maria foi elevada em corpo e alma à glória do céu. Ela goza já da plenitude da redenção. Deus não quis que conhecesse a corrupção do túmulo Aquela que gerou para a humanidade o Senhor da vida. Unida a Jesus no sofrimento e na morte, associada estreitamente a Jesus no mistério da redenção, Maria está agora com Cristo ressuscitado e glorificado, exaltada por Deus como Rainha, à nossa espera e a interceder por nós. Ela é penhor seguro de que o homem triunfará da morte. E, estando no céu, garante-nos que… a bem-aventurança é possível!

Paulo Abreu

 

.